TRANSA NO AVIÃO

Comissário de bordo pode ser demitido por transar no avião com ator pornô

IG | 07/02/2019 07:01:06

O vídeo do funcionário com o passageiro em um momento íntimo no banheiro foi parar no Twitter e agora o caso está sendo investigado

Fazer sexo no avião está entre as fantasias de muitas pessoas, mas realizar esse desejo pode ser algo arriscado. Um comissário de bordo da Delta Airlines, por exemplo, pode ser demitido porque vazaram vídeos dele tendo relação sexual dentro do banheiro da aeronave com um passageiro, a estrela pornô Austin Wolf, que já protagonizou diversos filmes eróticos gay.

Segundo informações do portal britânico “Daily Mail”, o comissário de bordo estava de folga no dia, porém usava o uniforme da empresa no momento em que se envolveu com o passageiro. A informação divulgada é que os dois foram para o banheiro para poderem fazer sexo no avião e ficaram mais de oito minutos trancados no pequeno local.

Dois vídeos diferentes do momento íntimo foram postados no Twitter e foi dessa forma que a companhia aérea ficou sabendo do acontecido. Fontes que preferiram não se identificar contam que o comissário de bordo é um jovem de cerca de 20 anos que foi contratado recentemente pela companhia aérea.

Assim que o caso ganhou destaque na imprensa internacional, a empresa resolveu abrir uma investigação sobre o caso e durante esse período o rapaz ficará suspenso. Como ele alega que não sabia que estava sendo filmado, a identidade dele foi preservada. “Eu só quero ficar sozinho, por favor. Estou apenas tentando colocar minha vida de volta nos trilhos”, disse o comissário com uma troca de mensagens com o “Daily Mail”.

Agora, a empresa consultará especialistas jurídicos para dar andamento às investigações e descobrir se a publicação do vídeo sem consentimento viola as chamadas leis do “pornô vingativo”, ou seja, quando uma pessoa é exposta online por vingança de alguém.

O ator pornô foi facilmente identificado nas filmagens porque no vídeo, que possui mais de quatro minutos, é possível ver as tatuagens dele, incluindo um coração no braço escrito ‘mãe’ e um desenho tribal em volta do umbigo.

Austin vive em Nova York e, além de estrelar filmes eróticos, oferece serviços que define como “garoto de aluguel” e cobra US$ 1,2 mil (aproximadamente R$ 4,4 mil) por noite. Ao ser procurado pela imprensa, ele se recusou a falar sobre o caso, mas provavelmente também fará parte da investigação, de acordo como jornal britânico.

O comissário de bordo permanecerá suspenso até o final das análises da empresa e as chances dele ser demitido por fazer sexo no avião são grandes. “Este vídeo não reflete os padrões de profissionalismo esperados de nossos funcionários enquanto representam a marca Delta ou viajam como passageiros nas nossas aeronaves”, relata um porta-voz da companhia aérea.