Produtor dos clássicos, Rogério Duprat foi o homem por trás da Tropicália

O carioca radicado em São Paulo foi responsável por obras-primas da Tropicália e ficou famoso por trabalhar com Caetano, Gil e Os Mutantes

| 12/10/2017 08:20:02

A Tropicália , que completa 50 anos neste ano, é um período que remete quase imediamente aos grandes nomes da música brasileira no fim dos anos 1960, principalmente Caetano Veloso , Gilberto Gil e Os Mutantes . Mas enquanto esses artistas eram consagrados por suas obras, um produtor demorou muito tempo até ser devidamente celebrado por seu trabalho extremamente importante. Sem Rogério Duprat, talvez não houvesse Tropicália.

Leia também: "Eu me inspiro nas alucinações para compor", declara Gilberto Gil

Rogério Duprat foi o maior produtor da Tropicália e trabalhou com Caetano Veloso, Gilberto Gil e Os Mutantes
Divulgação
Rogério Duprat foi o maior produtor da Tropicália e trabalhou com Caetano Veloso, Gilberto Gil e Os Mutantes

Nascido no Rio de Janeiro em 1932, Rogério Duprat se radicou em São Paulo, onde se tornou um dos principais nomes da Tropicália. Sempre ligado à arte contemporânea, o maestro estudou na Europa com mestres como Karlheinz Stockhausen e Pierre Boulez antes de voltar ao Brasil para mudar de vez a música nacional. 

Leia também: Ecos da contracultura: A tropicália 50 anos depois

Duprat se destacou principalmente pela produção de "Tropicália ou Panis et Circenses", disco lançado em 1968 que é considerado um dos principais do movimento. Antes, em 1967, ele já havia trabalhado nos arranjos de  Domingo do Parque , música cantada por Gilberto Gil e Os Mutantes no III Festival de MPB da Record, em 1967, considerado o ponto de partida do movimento. No festival, ele ganhou o prêmio de melhor arranjador.

O que tornou Duprat um nome tão importante no movimento foi sua técnica apurada, em sintonia com os melhores musicistas contemporâneos da Europa e dos Estados Unidos, e sua visão de música mais expandida. Na Universidade de Brasília, ele, Régis Duprat, Damiano Cozzela e Décio Pignatari modernizaram o ensino de música no Brasil, o que aproximou a teoria da prática.

Leia também: Morre o artista gráfico Rogério Duarte, criador da estética da Tropicália

Música política

Verso do disco
Divulgação
Verso do disco "A Banda Tropicalista do Duprat"

Mas, além de ser um ótimo produtor, o carioca também era muito politizado. Nacionalista por convicção, ele sempre foi alinhado ao pensamento da esquerda – tanto que o golpe militar de 1964 o fez pedir demissão da UnB. Por meio de seu trabalho, ele desafiou o regime militar.

Foi no contato com a obra do americano John Cage que ele mudou esse viés e sua forma de trabalhar com a música. Em vez de excluir os artistas que não tinham o mesmo pensamento político que o seu, o maestro passou a integrar e incluir tudo em seu trabalho, misturando ritmos e influências, a grande força de seu trabalho.

Leia também: 'Funk e sertanejo universitário são a nova Tropicália', diz Caetano Veloso

Por uma ironia do destino, Rogério Duprat teve de se afastar da produção musical por causa de uma surdez progressiva. No fim de sua vida, ele se dedicou a outras atividades. O maestro morreu em 2006, aos 74 anos, vítima de complicações de um câncer na bexiga. Ele sofria de mal de Alzheimer desde de 2002.



Fonte: IG GENTE
Fonte: IG Gente

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do 24 Horas News