Minas: aumenta risco de barragem de Barão de Cocais se romper

Otávio Augusto | 25/05/2019 10:05:16

A movimentação do talude — espécie de parede que segura uma rocha — chega a 18 centímetros. O maior já registrada desde 2012

Imagem Google Maps/Agência Brasil

O risco de a barragem da Vale em Barão de Cocais, em Minas Gerais, se romper aumentou neste sábado (25/05/2109). A Agência Nacional de Mineração (ANM) e a empresa monitoram a situação e alertam que a estrutura pode ceder. A movimentação do talude — espécie de parede que segura uma rocha — chega a 18 centímetros. O maior já registrada desde 2012.

Para a Agência Nacional de Mineração, o talude pode se romper a qualquer momento. A Vale tem a mesma percepção e acredita que a estrutura deve desmoronar ainda neste sábado. Caso a barragem se rompa, a lama atingirá três municípios, conforme estudo de impacto da Vale: Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo.

As autoridades trabalham com duas possibilidades: a primeira é o talude ceder e não haver o deslocamento de uma rocha — o que não provocaria o rompimento da barragem; e outra que a estrutura desmorona, a rocha se desprende e a lama da represa de rejeitos inunda as cidades. Um muro de contenção está sendo erguido entre a estrutura e Barão de Cocais, para tentar deter o lamaçal caso o pior aconteça.

O chefe da Divisão de Segurança de Barragens da Agência Nacional de Mineração (ANM), Wagner Nascimento, disse à imprensa local que não é possível prever o dia em que ocorrerá a ruptura do talude, mas, segundo ele, a tendência é que ocorra ainda neste fim de semana. A movimentação do talude foi identificada em 2012.

De acordo com o coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, tenente-coronel Flávio Godinho, houve uma “potencialização” do medo em Barão de Cocais. “Qualquer aeronave que sobrevoa a cidade causa um temor entre os moradores. Eles acham que se uma aeronave está passando é porque o talude se rompeu”, disse Godinho.

Alguns serviços foram suspensos, como o funcionamento de agências bancárias. Segundo o coordenador da Defesa Civil, a decisão dos bancos de fecharem foi “desnecessária”. O comércio na cidade também está prejudicado. Nesta semana, os moradores de Barão do Cocais passaram por treinamento para um caso de emergência.

Tanto a Agência Nacional de Mineração como a Vale dizem estar monitorando o talude ininterruptamente e que especialistas acompanham as movimentações. Segundo governo e a empresa, moradores serão avisados. A barragem está a apenas 1km do município.

Jornalista: Otávio Augusto