Mulher denuncia Samu por omissão de socorro no Maranhão

Metrópoles | 12/01/2019 21:20:03

Segundo a comerciante Andreia Barreiro, um atendente do serviço de emergência se recusou a enviar ambulância a uma moradora de rua ferida

Após ligar para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em Imperatriz (MA) e ter o pedido de ajuda negado por um atendente, a comerciante Andreia Barreiro fez denúncia à polícia. A mulher havia ligado ao Samu para solicitar o envio de uma ambulância para atender uma moradora de rua idosa que se feriu em uma acidente. As informações foram divulgadas pela Rede Mirante.

Segundo a reportagem, a vendedora ligou para os socorristas e informou o ocorrido. Durante a ligação, um atendente – não identificado – questionou o grau de parentesco da mulher com a vítima. Após Andreia afirmar que não possuía vínculo com a idosa, o homem questionou se ela acompanharia a ferida até o hospital caso o Samu enviasse uma ambulância. Ao responder que não seria possível, pois estava sozinha em seu local de trabalho, o atendente negou o socorro.

“Eu estava aqui e eu vi quando a senhora surgiu bem nessa grade e ela ficou andando. Aí eu disse que ia fechar o portão. Ela não parecia estar bem. Aí eu fui até o portão, ela olhou para mim e disse: ‘Minha filha, não me deixa morrer aqui’. Aí eu disse: ‘A senhora quer que eu chame o Samu?’. Ela disse que sim, deitou no chão e foi quando deu essa infeliz ligação”, relatou a comerciante, conforme a reportagem.

Após a negativa do atendente do Samu, a comerciante procurou ajuda na delegacia regional. “Tanto por falta de acompanhante como ele também citar que ela era moradora de rua. E o que tem a ver? Quer dizer que morador de rua não precisa de socorro? É um ser humano também. Eu acho isso muito errado”, desabafou.

O coordenador-geral do Samu em Imperatriz, Alexsandro Freitas, informou que o atendente responsável por recusar o pedido de socorro será afastado de suas funções até seja concluído o processo administrativo sobre o caso.

Andreia também registrou denúncia no Ministério Público do Maranhão (MPMA). Segundo ela, a idosa que estava com o pé ferido conseguiu chegar até o hospital graças a uma carona.

Jornalista: Da Redação