PM pula de prédio após agredir mulher e efetuar disparos no DF

Metrópoles | 09/03/2019 10:17:32

Imagens foram gravadas por vizinhos e divulgadas em grupo de moradores. Após disparar dentro do apartamento, homem pulou do segundo andar

VÍDEO/REPRODUÇÃO

Vídeos gravados na manhã deste sábado (9/3) por moradores de Águas Claras mostram cenas aterrorizantes, com sons de disparos, gritos e um homem pulando do 2º andar de um prédio. Segundo informações da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), após discutirem, um policial militar de Goiás, de 44 anos, agrediu a mulher e abriu fogo dentro do apartamento onde mora, na Alameda Gravatar, na Quadra 301 Norte. Depois, ele teria arrombado o imóvel de um vizinho, de onde saltou.

O Corpo de Bombeiros (CBMDF) chegou ao local e socorreu o homem, que foi encaminhado com vida ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT). De acordo com a corporação, ele teria sofrido um surto psicótico. No entanto, o PM de Goiás não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde. O óbito foi confirmado pela Polícia Civil do DF.

Nas imagens divulgadas, é possível ver policiais militares do DF tentando negociar com o homem, que efetua disparos de dentro do apartamento. Uma outra pessoa, que seria o irmão dele, tenta ajudar nas negociações, mas o suspeito pulou do 2º andar do prédio. Segundo a PM, os tiros não atingiram a mulher e nenhuma outra pessoa.

Por volta das 7h15 deste sábado (9), a corporação foi acionada para atender uma ocorrência envolvendo uma mulher que gritava por socorro no quinto andar do edifício. De acordo com a PMDF, chegando ao local, os militares foram ao apartamento e bateram na porta do casal, mas foram recebidos pelo homem que abriu fogo contra os policiais.

Afugentados pelos disparos, os policiais desceram do apartamento e pediram reforço policial da Operação Gerente e Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Foi quando o homem saiu do apartamento, desceu para o 2º andar, arrombou a porta de outro apartamento e pulou com a arma na chão, informou a PM. Na queda, ele teria efetuado outro disparo, de maneira involuntária.

Jornalista: Victor Fuzeira

Fonte: Metrópoles