MAIS SAÚDE

Programa Telessaúde otimiza atendimentos e gera economia

Jornalista Jonas Jozino | 20/06/2019 12:03:05

Entre fevereiro de 2018 e maio de 2019, a média de economia registrada foi de R$ 46.905,35 por mês.

Telediagnóstico em eletrocardiograma é um dos serviços desenvolvidos pelo programa Telessaúde em Mato Grosso. Essa modalidade de atendimento passou a operar em 30 de junho de 2014 no município de Alto Boa Vista e, atualmente, já está em execução em 34 municípios mato-grossenses.

É perceptível, entretanto, que além de outros benefícios, a ferramenta tecnológica contribui para a economia e eficácia dos serviços ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) aos seus usuários.

Entre fevereiro de 2018 e maio de 2019, a média de economia registrada foi de R$ 46.905,35 por mês. Isto é, mais de seiscentos mil reais por ano, se considerado o valor que cada município deixou de utilizar com a emissão de laudos. No mesmo período, foram realizados 13.965 laudos.

“O Telessaúde de Mato Grosso é um excepcional exemplo de ação bem sucedida na área da Saúde, sendo referência não apenas em nosso Estado, mas também para todo o país. O programa gera uma economia inteligente para os cofres públicos porque otimiza os atendimentos prestados à população, oferecendo mais eficácia aos usuários do SUS”, declarou o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Outra economia obtida com esse serviço é constatada na medida em que se evita o deslocamento dos pacientes; o atendimento também proporciona mais agilidade no tratamento do indivíduo, a partir do diagnóstico exato e imediato da doença.

“O eletrocardiograma é um método de investigação do aparelho cardiovascular de grande utilidade clínica na detecção e no manejo das doenças cardiovasculares. O serviço de telediagnóstico disponibiliza laudos deste exame via internet, de maneira a agilizar o processo de diagnóstico e o tratamento do usuário”, explica o coordenador do Núcleo Técnico Científico do Telessaúde-MT, Fábio José da Silva.

Atualmente, o Telessaúde-MT conta com oito técnicos de nível superior – dentre eles, farmacêuticos, odontólogos, enfermeiro, médico e um estagiário da área de Tecnologia de Informação.

Os laudos são realizados pelo Centro de Telessaúde, localizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que possui uma equipe de profissionais apta a emitir laudos para todo o Brasil. O custo de um laudo é de R$ 7,80 (sete reais e oitenta centavos), valor que é financiado pelo Ministério da Saúde.

Ao todo, são 269 médicos habilitados para solicitar o exame na plataforma do programa, além de 50 equipamentos distribuídos nos 34 municípios de Mato Grosso, sendo que já foram programadas as implantações para 68 novos pontos.

Ampliação

Desde fevereiro de 2018, o Telessaúde-MT integra a Oferta Nacional de Telediagnóstico, que visa à ampliação do serviço de diagnóstico de exames realizados à distância, nas áreas mais necessitadas do país.

“O serviço vem sendo ampliado gradativamente com o apoio das Secretarias Municipais de Saúde, da Secretaria de Estado de Saúde, do Hospital Universitário Júlio Muller e do Ministério da Saúde”, concluiu Fábio.

Prêmio internacional

Em abril deste ano, a atuação do Telessaúde-MT foi condecorada pelo WSIS Prizes 2019 – premiação que acontece anualmente em Genebra, na Suíça –, sendo a única indicação brasileira ao prêmio. O World Summit on the Information Society (WSIS) Forum 2019 é organizado por diversas entidades, entre elas, a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O evento de premiação reúne mais de três mil participantes de 150 países, representa o maior encontro anual da comunidade de Informação e Comunicação (TIC) e oportuniza o debate sobre tendências, evoluções e desafios dos tópicos digitais.