BRIGA NO SENADO

Se Selma Arruda for cassada haverá nova eleição para o Senado em MT; Blairo pode disputar

Redação 24 Horas News | 11/02/2019 10:19:12

Neste jogo, onde o objetivo é ver a ex-juíza ter seu mandato, que iniciou no início do mês cassado, entra até mesmo o ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi (PP), um dos mais poderosos produtores de soja de Mato Grosso.

As peças do tabuleiro político de Mato Grosso voltam a ser postas no jogo de xadrez aguardando uma definição do Tribunal Regional Eleitora e até do Superior Tribunal Eleitoral com relação a situação da senadora e juíza aposentada Selma Arruda (PSL) acusada de usado caixa 2 em sua eleição no pleito de outubro de 2018.

Neste jogo, onde o objetivo é ver a ex-juíza ter seu mandato, que iniciou no início do mês cassado, entra até mesmo o ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi (PP), um dos mais poderosos produtores de soja de Mato Grosso.

É que, segundo analistas políticos do Estado, uma eventual cassação de Selma Arruda não beneficia em modo algum o ex-candidato e hoje chefe do escritório político de MT em Brasília Carlos Favaro, que fez a denúncia no Tribunal Regional Eleitoral solicitando a cassação da magistrada.

Segundo os analistas se isso acontecer será preciso realizar uma nova eleição em Mato Grosso, a chamada suplementar para eleger um novo senador. “O cargo não vai para quem ficou atrás. Será preciso uma nova eleição”, disse um integrante do TRE.

A reportagem foi informada que se uma nova eleição foi necessária, o ex-ministro da Agricultura, ex-senador e ex-governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, que não pretendia disputar a eleição já se mostra interessado no cargo. E ele teria como primeiro suplente um político de peso e que disputou a senatoria no ano passado: o ex-deputado federal Adilton Sachetti (PRB). O segundo suplente poderá ser Cidinho Santos (PR), que ocupou a vaga de senador enquanto Blairo era ministro de Michel Temer (MDB)